top of page
  • Foto do escritorKaká Rodrigues

O todo é maior do que a simples soma das suas partes

É preciso muito mais que a soma de gênios para se ter um time incrível



4 pessoas a mesa: 2 mulheres e 2 homens trabalhando juntos

Já parou para pensar qual o grande diferencial de times excelentes? O que vem à sua cabeça quando pensa em um time incrível? Um time efetivo, que trabalha bem junto e entrega grandes resultados? Seria a quantidade de pessoas altamente qualificada? O investimento da empresa na equipe? O clima? O alinhamento de valores e propósito? Foi essa resposta que a Google buscou responder com o Projeto Aristóteles (filósofo grego, autor da frase que dá nome a esse artigo).

O primeiro passo para responder a essa pergunta é a definição clara de time. Times têm integrantes altamente interdependentes. Seus membros planejam o trabalho, resolvem problemas, tomam decisões e acompanham seus progressos a serviço de objetivos em comum. Os membros de um time geralmente PRECISAM uns dos outros para realizarem seu trabalho e alcançarem seus objetivos.

Outra definição necessária foram os critérios para avaliação positiva do time. Para ser considerado um time incrível, foi definido pelos pesquisadores que o time precisava ter avaliações positivas de executivos sêniores da empresa, do(s) líder(es) do time, dos membros do time e para atingir algumas métricas-chave de resultados. Após a avaliação desses fatores, o que os pesquisadores acharam foi um mix de características dos melhores times que podem ser resumidos em 5 grandes temas:

  1. Segurança psicológica: os membros se sentiam confortáveis em discordar uns dos outros e tomar riscos interpessoais, ou seja, defenderem seus pontos e convencerem seus colegas de que estão certos. Ninguém tinha muito medo de ser percebido como ignorante, incompetente, negativo ou chato caso discordassem ou tomassem riscos e errassem. Além disso, os membros se sentiam à vontade ao admitirem erros, fazerem perguntas e oferecerem sua opinião;

  2. Confiabilidade: havia um alto grau de confiança de que os colegas iriam cumprir com seus combinados a tempo e na qualidade desejada/combinada;

  3. Estrutura e clareza: todos tinham clareza do que era esperado de suas contribuições e de quais processos seriam seguidos no trabalho. Metas faziam grande parte desse efeito;

  4. Significado: havia um importante senso de significado e propósito tanto no nível individual de cada membro quanto em relação aos propósitos do time;

  5. Impacto: nos melhores times, havia a percepção de que o trabalho sendo realizado (novamente tanto no plano individual quanto do grupo) era de grande importância para a empresa.

Entre as variáveis menos importantes, ou que não tinham correlação com a efetividade dos times, os pesquisadores encontraram fatores como o perfil pessoal dos membros (extroversão x introversão), a localização dos times (presentes no mesmo lugar x remotos), a quantidade de trabalho sendo feito (muita x pouca), o tamanho dos times ou o tempo de casa dos seus membros. Ou seja, aparentemente, estamos colocando a nossa atenção em questões que não são tão importantes assim na criação de times efetivos. Por isso, nesse artigo, eu gostaria de dar uma atenção especial à segurança psicológica. Esse termo ficou mais conhecido em 2016 após o jornal The New York Times publicar um artigo sobre o Projeto Aristóteles, que descobriu que a segurança psicológica é o maior fator na eficácia da equipe. Mas o termo “segurança psicológica” é antigo e foi usado pela primeira vez em 1965 por Ed Schein e Warren Bennis e, em seguida, estudado academicamente a partir de 1999 pela professora de Harvard Amy Edmondson.



“A segurança psicológica começa com a atitude do líder.” Amy Edmondson

Para se ter um ambiente de segurança psicológica é necessário que as pessoas percebam que existe no time a possibilidade de acolhimento ao erro, segurança para se discutir problemas, respeito, aprendizado e inovação, disponibilidade para auxiliar, intencionalidade e habilidades e talentos.

Entendido o conceito, qual seria então a importância de se ter um ambiente de segurança psicológica? Um ambiente de trabalho seguro e acolhedor impacta no engajamento dos colaboradores, no atingimento de metas, na redução de turnover, na inovação e na performance das equipes. A segurança psicológica permite que as pessoas sejam autênticas no trabalho, assumam riscos interpessoais, compartilhem suas perspectivas livremente e sejam respeitadas e valorizadas.

Sem segurança psicológica, as empresas reduzem o potencial de criação de soluções inovadoras para os seus problemas e para os problemas dos seus clientes. Isso acontece porque é difícil ser inovador sem segurança psicológica, já que o processo criativo envolve uma série de falhas e as pessoas não correrão os riscos necessários a menos que se sintam seguras.

E já que a segurança psicológica é tão crucial para a criação de times efetivos, é importante saber que algumas atitudes e posicionamentos são chaves para promover um ambiente psicologicamente seguro, como:

  1. Disponibilidade e acessibilidade dos pares

  2. Confiança para assumir riscos em relação à liderança

  3. Cultura de aprendizagem

  4. Suporte organizacional

  5. Disponibilidade e acessibilidade da liderança

  6. Confiança para assumir riscos em relação aos pares

  7. Distribuição de materiais e informações

  8. Tolerância ao erro

Se interessou pelo tema? Para saber mais, convido você a assistir a aula que eu e a Renata Torres fizemos no canal do YouTube da Diversidade Agora! sobre Cultura de Segurança Psicológica. Nessa aula abordamos com mais profundidade o conceito, a importância, o impacto, os desafios para a implantação de ambientes psicologicamente seguros e os custos de não se investir em segurança psicológica nas equipes.

Te aguardamos lá!

Comentários


bottom of page